terça-feira, 19 de junho de 2018

LAST TIME

As vezes você não está necessariamente triste, apenas vazio.



Se eu pudesse te fazer feliz
Eu faria
Se eu pudesse te amar
Eu te amaria também
O seu sorriso foi a aurora
A clareza em minha escuridão
Mas com o tempo tudo mudou
Tudo deixou de ser colorido
Seu sorriso não surtia mais esse efeito
O que eu poderia fazer?
Ele ainda podia ser a clareza pra alguém
Ele ainda pode
Então faça o dia de alguém mais claro


5 DIAS


É íncrivel  a forma como podemos magoar alguém. Há diversas maneiras de se fazer isso e antes do ato, há varios segundos, minutos, quem sabe dias para pensarmos no assunto. É íncrivel como nos é dado a oportunidade de ficar de boca fechada, de não fazer nada. Somos teimosos. Insistimos em ferir alguém, achando que essa é a única solução e no meio do processo acabamos magoando nós mesmos. Passamos mal. Pensamos que a dor fisica e psicologica nunca vai passar. O meu eu do passado tem cinco dias para pensar no que vai fazer. Para mudar tudo. Se existe realidades paralelas então eu suplico que o meu eu do passado faça algo diferente, porque no presente eu me sinto cada vez mais distante e vazia de tudo e de todos. E eu preciso acreditar que em algum lugar isso é diferente.

sexta-feira, 9 de março de 2018

ÚLTIMO ANO

Olá galeron, espero que todo mundo esteja bem. Hoje eu vim falar com vocês sobre uma coisa que está me deixando pirada, que é o último ano do ensino médio.
Claro que tem as partes legais, as risadas, os amigos mas algumas coisas pesam.
Sei lá, parece que nenhum dos outros anos valeram de nada porque é no terceiro que você cai na real e percebe que talvez não esteja pronta pra vida adulta. Não sabe o que quer fazer na faculdade ou sabe, mas pensa que não conseguirá chegar no seu objetivo.
Sem contar que esse ano é um dos anos mais bagunçados que vamos ter, fala sério. Ano de copa e de votação para presidência.
Estou tentando focar nos meus estudos, e até estou fazendo um cursinho online para conquistar o meu sonho de fazer medicina, moda ou artes plásticas.
Eu sei que não somos obrigados a nos formar e ir direto para a faculdade (pelo menos eu não sou, já que muita gente é pressionada) mas no fundo acho que quero provar para mim que eu consigo. Que se eu quiser e me esforçar eu posso conseguir. Mas e aí? Como foi o terceiro ano de vocês? Me contem a experiência de vocês!
Beijon

sábado, 24 de fevereiro de 2018

MORTE

"Bom. Eu acho que estou morrendo. Na verdade eu tenho certeza que estou morrendo, todos estão. Mas digo, acho que o meu tempo é curto. Eu pensava que era impossível ver ou sentir a morte, mas tenho a sentido bem perto. As vezes chego a pensar que ela finalmente vai me alcançar. Se eu realmente estiver certa, sinto em dizer que não fiz tudo o que queria fazer mas não posso questionar tudo o que acontece. Dizem que quando estamos morrendo a nossa vida inteira passa diante dos nossos olhos. Acho que o momento exato da morte é pequeno demais para que dê tempo de passar todo o filme da nossa vida bem na frente dos nossos olhos. Acho que a morte é lenta. Quando Deus ou sei lá quem puxa a senha e determina que aquela é a nossa hora de morrer, creio que é nos dado um tempo para pensar, refletir e se dar conta que a morte está a espreita. 
Eu tenho visto toda a minha vida diante dos meus olhos. Eu a revejo sempre, a todo momento e penso... Penso tanto que me canso de pensar. Vejo o que fiz, todas as coisas boas e bobas. Me arrependo de algumas e me arrependo por não ter feito algumas coisas. Acho o arrependimento uma idiotice pra ser sincera. Nada que fizemos, a menos que tenha sido forçado, deve fazer parte da lista de arrependimentos. É uma idiotice mas é a idiotice que eu vivo todos os dias. Enquanto estou aqui eu sobrevivo. Eu existo mas nem de longe alguém acharia que estou vivendo."

ENCANTO

o encanto que eu sentia
acabou-se
foi embora
apodreceu

como fruta que cai do pé
ou como a fruta que não é arrancada

eu sou uma árvore
minhas flores desabrocharam
meus frutos tomaram forma
mas você não moveu
a merda da sua mão
para colhê-los

não levantou os seus pés
na ponta dos dedos
para poder alcançar

não fez nada
e aí
apodreceu

Pode Deixar

pode deixar que eu
não vou mais te incomodar
pode deixar que eu
não voltarei a procurar
a parecer aqui e ali
não vou relembrar sua dor
não vou abrir sua ferida
que claramente cicatrizou

pode deixar que eu
sou esperta e entendi
pode deixar que eu
vou ficar parada aqui
eu era sol
mas não iluminei
posso ser céu
mas não clareei
sou mel
mas não adocei
sua vida, seu coração
foi só te dar tchau
te vi passar de mão em mão
pode deixar que eu
não vou mais te incomodar

domingo, 8 de janeiro de 2017

RESENHA - PRINCESA DAS ÁGUAS

Pra quem não conhece a Paula Pimenta, sugiro que vá ao google e comece a procurar mais sobre os outros livros desse incrível mulher e escritora que tanto me fascina!

Mais conhecida pelas séries de livros "Fazendo Meu Filme" e "Minha Vida Fora de Série", ela resolveu fazer uma coisa diferente, uma versão moderna dos contos de fadas e hoje vamos falar sobre Princeza das Águas, a versão moderna de A Pequena Sereia.

Resenha - Princesa das Águas:

Arielle (muito criativo) é uma nadadora (guarda isso que é importante) e aos dezesseis anos participará das olimpíadas. Ela ama o que faz mas por ser a caçula é totalmente protegida pelo pai e pelas irmãs mais velhas.

Além disso, ela tem uma linda voz (isso também é importante) que é idêntica a de sua mãe. Seu verdadeiro sonho era participar da banda Mermaids Sisters, com suas irmãs, mas com medo do seu pai ouvir sua voz e lembrar da sua mãe, ex cantora, que faleceu em seu parto, ela desiste.

Em uma comemoração na Suiça, ela desobedece seu técnico, Sebastião e foge do prédio para poder ir festejar como as outras garotas normais da sua idade fazem e lá encontra Érico (outra vez bem criativo). O menino é um super gato, tenista olímpico e ela se vê encantada por ele, por isso começa a segui-lo. É quando sem querer ela abre a porta e um cachorro foge, fazendo com que Érico corra atrás do seu cão e caia na piscina, batendo a cabeça e perdendo a consciência.

Ao ver a cena ela não pensa duas vezes e socorre o garoto que abre os olhos e acredita ter sido salvo por uma sereia. No desespero ela acaba ligando para o técnico e pedindo socorro, o que faz com que ela tenha que sair do local.

O tempo passa e Érico não sai da cabeça de Arielle. O que ela não sabe é que o destino o trará para bem perto dela, mais rápido do que ela imagina.

Com a chegada das olimpíadas no Brasil, os outros países chegam e ela descobre que o amor da sua vida também veio.

Ela faz novas amizades nessa caminhada, umas legais e outras nem tanto, e é com o tempo que ela descobre quem são os amigos leais e se Érico realmente vale a pena.

Resenha Crítica:

Eu ameeeeeei! Dou quatro estrelinhas. Por que não cinco? Porque houve alguns momentos que eu achei a protagonista muito burra e tive vontade de entrar no livro para mostrar que ela não devia confiar em algumas pessoas.

O livro prende a gente e a vontade de saber o que vai acontecer em seguida é constante. Em nenhum momento eu achei chato, pelo contrário, todos os acontecimentos eram realmente previsíveis, mas a vontade de saber como aquilo iria acontecer me fazia querer ler o tempo todo até acabar.

Eu recomendo todos os livros da Paula pra vocês e se vocês gostam de finais legais, vocês vão adorar.

Beijon. Até o proximo post ❤❤